«VISEU AJUDA» apoiou 805 famílias durante os primeiros 100 dias de pandemia

Julho 1, 2020 | Sociedade

Nos primeiros 100 dias de pandemia, a linha municipal de emergência social «VISEU AJUDA» apoiou 805 famílias do concelho. Concluída esta primeira fase, coordenada pelo vereador Jorge Sobrado, a linha mantém os apoios até ao final do ano, mas agora integrada numa estrutura de projecto na Divisão de Acção Social da Câmara Municipal de Viseu.

A funcionar desde o dia 23 de março, prestando apoio 7 dias por semana, entre as 9 e as 20 horas, a pessoas e famílias residentes no concelho, em situação de carência, isolamento ou outra de emergência social, a linha registou um total de 1449 ocorrências, 2737 chamadas, e prestou apoio, até 30 de Junho, a 805 famílias de 23 freguesias do concelho.

Das 1449 ocorrências registadas ao longo dos primeiros 100 dias, 78% (1126) tiveram “luz verde”, tendo justificado apoio social. O acesso à linha revelou-se mais acentuado no período compreendido entre 13 de abril e 14 de maio, no qual se registou um total de 785 ocorrências. Das 25 freguesias do concelho, apenas Côta, Cavernães e Santos Evos, não recorreram ao «VISEU AJUDA», tendo Abraveses e Rio de Loba liderado os pedidos.

“Em boa hora colocámos em marcha este serviço de apoio extraordinário à nossa comunidade, que permitiu uma resposta concertada, rápida e solidária, face às necessidades vividas por muitas famílias e por muitos imigrantes neste período crítico da pandemia COVID-19”, destacou o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques, na sessão de balanço do projecto, que decorreu na Mata do Fontelo.

Disponibilizar uma resposta imediata para um conjunto de bens e serviços básicos, urgentes e inadiáveis, nomeadamente de aquisição e/ou entrega de refeições, de medicamentos e de compras de supermercado ao domicílio (alimentares e outras essenciais), assim como assegurar reparações domésticas urgentes e o agendamento de recolha de resíduos ao domicílio de pessoas infectadas pelo novo coronavírus foram objetivos traçados e tipologias de apoio colocadas à disposição da comunidade.

Entre as 805 famílias apoiadas, num concelho onde residem cerca de três mil brasileiros, a linha municipal de emergência social «VISEU AJUDA», constituída por uma equipa multidisciplinar de 104 pessoas, entre elas 43 voluntários, apoiou mais de duas centenas de famílias de nacionalidade brasileira.

Os números, revelados por Jorge Sobrado, revelam que metade das famílias só necessitou de apoio uma vez; 228 pediram ajuda duas vezes; e 62 três vezes, mobilizando 112 visitas domiciliárias. Sinalizadas foram também 385 famílias que necessitavam de apoio prioritário da Segurança Social, acabando 110 por justificar o apoio estatal.

A implementação do projeto VISEU AJUDA permitiu constatar uma certeza há muito conhecida e defendida pelo Presidente da Câmara Municipal: a descentralização da área social, passando esta a constituir uma competência dos municípios. “Há uma evidente necessidade de reforma e modernização do sistema da Segurança Social, tornando-o mais próximo, mais ágil e mais integrado com as autarquias locais – municípios e freguesias”, sublinhou António Almeida Henriques.