Edificio do centro histórico de Viseu acolhe vítimas de violência doméstica

Fevereiro 28, 2013 | Região

Dentro de um mês, prazo previsto para a conclusão das obras de reabilitação que a Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) tem em curso num edifício da Calçada da Vigia, as vítimas de violência doméstica vão poder contar com mais um espaço de acolhimento na cidade de Viseu. Dos três apartamentos que integram o complexo, constituído ainda por duas lojas para comércio e serviços, um vai ser adquirido pela Câmara Municipal para albergar pessoas em situação de risco. Os restantes serão vendidos, preferencialmente e em “condições vantajosas”, a jovens casais.

A reserva do apartamento na Calçada da Vigia para as vítimas de violência doméstica foi anunciada pelo presidente da Câmara Municipal de Viseu, Fernando Ruas, no decorrer de uma visita aos trabalhos de reabilitação do edifício, que resultaram da aquisição (em 2008) e emparcelamento de três imóveis contíguos e em ruínas naquela artéria do centro histórico. O investimento total, que incluiu um processo de realojamento, ronda os 500 mil euros.

“Há algumas vítimas de violência que só não saem de casa porque não têm para onde ir” reconheceu Fernando Ruas, para quem a compra do apartamento à SRU, na Calçada da Vigia, pretende dar resposta a uma “chaga social” que considerou preocupante. “A disponibilização deste espaço faz todo o sentido, depois do protocolo recentemente subscrito pela Câmara de Viseu no âmbito do apoio às vítimas de violência doméstica”, recordou o autarca.

Américo Nunes, presidente da SRU e vice-presidente da Câmara Municipal de Viseu, explicou que apenas um dos apartamentos do edifício da Calçada da Vigia foi reservado às vítimas de violência doméstica “para evitar situações de segregação”, adiando que espaços como este irão ser “pulverizados” e contemplados noutras reabilitações previstas para o centro histórico.

Para Fernando Ruas, a reabilitação daquele edifício é apenas “a ponta do iceberg” do trabalho que tem vindo a ser feito pela SRU, sem o qual o centro histórico de Viseu, onde já foram investidos cerca de 10 milhões de euros, “estaria hoje ainda mais desabitado”. Para além da reabilitação de dois edifícios na Rua Escura, um no Largo da Prebenda outro na Rua Nossa Senhora de Fátima da Conceição, a SRU tem em curso obras na antiga Papelaria Dias e antigo quartel dos Bombeiros, estando prevista para breve a aquisição da Casa da Calçada, que irá acolher a colecção da família Keil do Amaral.