«SOS Viseu» desafia empresas e sociedade civil a apoiar o ensino online

Fevereiro 25, 2021 | Educação

Chama-se SOS Viseu – Educação Digital e está no terreno a desafiar empresas, setor social e sociedade civil para um objetivo comum: entregar equipamentos informáticos aos alunos que não dispõem de um computador que lhes permita participar no ensino à distância. O projeto, coordenado pela IPSS Obras Sociais Viseu, conta com a Ename e a Interecycling como parceiros.

A ideia surgiu quando se percebeu que os computadores prometidos pelo Governo não chegariam às escolas em tempo útil para assegurar as condições necessárias ao ensino online. De imediato, o Município de Viseu reuniu com os Agrupamentos Escolares, Escolas Secundárias e Associações de Pais, no sentido de identificar todas as necessidades do concelho a este nível.

A solução passa pela criação de uma campanha de mobilização de empresas e particulares, apelando à oferta de equipamentos, novos ou usados, com condições para o ensino à distância (placa de rede, câmara e microfone). O empréstimo dos equipamentos obedecerá a uma ordem prioritária, quer por ciclos (iniciando no primeiro, até ao ensino secundário), quer por escalões do SASE – Serviço de Ação Social Escolar (iniciando no escalão A e passando aos seguintes).

“Lancei o desafio à Obras Sociais para liderarem este projeto que visa minorar as dificuldades criadas pelo atraso da chegada dos computadores prometidos pelo Governo às escolas. Na articulação que temos levado a cabo com os Agrupamentos Escolares e Associações de Pais do concelho, percebemos que existem cerca de 850 alunos em Viseu sem equipamento informático que permita o acompanhamento do ensino online”, explica António Almeida Henriques.

O desafio foi também colocado à Ename, empresa de assistência técnica no mercado das tecnologias de informação sedeada em Viseu e com escritórios em Paris, Canárias e Madrid. A resposta foi positiva e a empresa assume o diagnóstico e reparação dos equipamentos doados (caso seja necessária a incorporação de componentes, a autarquia e a Ename já definiram um custo único a ser suportado por ambas as entidades). A empresa viseense já assumiu também uma contribuição direta para o projeto, através da doação de 30 portáteis.

Os computadores e tablets podem ser entregues na sede das Juntas de Freguesia do concelho de Viseu ou nas instalações da Obras Sociais. No caso de o doador não ter disponibilidade de realizar a entrega num destes locais, a equipa poderá fazer a recolha na residência ou empresa. Será também criado um fundo para reparação de peças de equipamentos a serem recondicionados no âmbito da campanha, e que será suportado pela Câmara Municipal de Viseu e protocolado com a Obras Sociais.

Refira-se, por último, que o projeto envolve ainda uma componente de formação. Assim, a Obras Sociais Viseu disponibilizará formação básica a alunos e/ou famílias com baixas qualificações tecnológicas, através dos CLDS 4 G (Contratos Locais de Desenvolvimento Social Quarta Geração) – Viseu Positivo e Viseu Comunidade de Afetos.

“É provável que não seja possível colmatar todas as necessidades, mas esperamos ser capazes chegar a muitos dos nossos alunos já identificados. O Município de Viseu está a fazer a sua parte. Depois dos 500 tablets adquiridos no ano passado, estamos a proceder à aquisição de mais 350 que integrarão este projeto. São 850 equipamentos entregues diretamente pela autarquia”, afirma António Almeida Henriques. O SOS Viseu – Educação Digital começa a funcionar de imediato e será promovido através de uma campanha de comunicação a decorrer nas redes sociais, rede de mupis e outros canais, nomeadamente através do contacto direto com as empresas de Viseu.