Termas de Sangemil à espera de 1,2 milhões para obras

Abril 11, 2019 | Economia

À semelhança do que aconteceu no último ano, em que registou uma maior procura depois do período de crise vivido em Portugal, o presidente da Câmara Municipal de Tondela espera um aumento do número de utentes nas Termas de Sangemil na época que arrancou na última segunda feira. Isto num equipamento que José António Jesus assume como “uma âncora para toda a estratégia de desenvolvimento local”. “É uma âncora em relação à promoção turística, mas também em relação à Saúde e bem-estar”, reforçou o autarca.

Na reabertura do balneário, uma infraestrutura criada no final dos anos 80, o presidente da Câmara Municipal de Tondela voltou a evidenciar a necessidade de uma intervenção mais estrutural e profunda, fundamental para melhorar as condições do balneário.

As obras de reabilitação e ampliação do balneário das Termas de Sangemil, com vista à melhoria da eficiência energética, têm uma estimativa orçamental de 1, 2 milhões de euros, tendo sido submetida uma candidatura em novembro do ano passado. “Estamos convictos que, neste semestre, teremos esta candidatura avaliada, para depois ser colocada a concurso público”, referiu o presidente da Câmara de Tondela.

Numa primeira fase serão feitas captações com mais de 300 metros de profundidade, passando a água de 32 graus para uma escala superior a 60 graus. Para além da execução de novos furos e captações, será feito o isolamento térmico do balneário pelo exterior, assim como da sua cobertura. Serão ainda substituídas caixilharias, instalado um sistema fotovoltaico e um sistema de aproveitamento de energia geotérmica.

A par disto, será ainda criada uma nova entrada principal a norte, com vista para o rio, os interiores e vãos das fachadas serão reorganizados e o elevador substituído. Posteriormente, numa segunda fase das obras, será ampliado o balneário, com a conclusão do último piso, sendo também criada uma piscina lúdica exterior.

“É um grande desafio, com grandes valores de investimento, mas queremos posicionar este equipamento num quadro competitivo, em que se possa diferenciar perante a região em que está inserido”, disse José António Jesus.

O vereador do Turismo e Desenvolvimento Económico, Pedro Adão, aproveitou também para deixar a sua preocupação em relação à anunciada comparticipação de tratamentos termais pelo Serviço Nacional de Saúde. O anúncio foi feito pelo Governo, no entanto, o processo ainda não está implementado. “Enquanto não for implementado este processo, os utentes pagam na íntegra os tratamentos que fazem. Mal esteja implementado, será feito um crédito ao utente”, explicou.

As Termas de Sangemil têm como primeira indicação terapêutica as patologias do foro reumatológico e algumas patologias músculo-esqueléticas como osteoartrites e espondiloses. Como segunda indicação, destinam-se ao tratamento de patologias das vias respiratórias superiores (ORL), como sinusites, faringites, amigdalites, rinites, entre outras.