Vissaium XXI: Uma incubadora com o futuro lá dentro

Agosto 13, 2019 | Actualidade

Criar na região, através da dinamização de um conjunto de valências, um ecossistema de empreendedorismo com todas as condições para criar capacidades e captar empresas tecnológicas, é o objectivo prioritário do Centro de Incubação Tecnológico de Viseu (CITV) V21. Um projecto em desenvolvimento pela «Vissaium XXI – Associação para o Desenvolvimento de Viseu, no qual a Câmara Municipal já investiu cerca de um milhão de euros, enquanto a aguarda a aprovação de uma candidatura a fundos comunitários no montante de 4,8 milhões.

Já apresentado oficialmente, e a funcionar no edifício que durante vários anos acolheu o polo de Viseu da Universidade Católica – num espaço de 10 mil metros quadrados arrendado para o efeito pela Câmara Municipal e onde já trabalham 270 pessoas de oito empresas -, o CITV é assumido pelo presidente do Conselho Superior da Vissaium XXI, José Couto, como “um serviço muito importante” para o interior do país, com competências instaladas para “captar empresas ligadas aos serviços e à produção, na medida em que a região e a juventude necessitam”.

O projecto, vai permitir concentrar naquele espaço as empresas de base científica e tecnológica já instaladas em Viseu, como a Altice Labs Ranstad, CUF, Critical Software, Tula Labs e Deloitte. E contempla ainda a criação de um laboratório colaborativo e vários espaços de incubação e co-work. Para além de oferecer um grau de formação complementar às incubadoras do país, e vir a receber também, segundo anunciou o presidente da Câmara Municipal, Almeida Henriques, uma creche e uma escola de hotelaria e restauração.

“Esta incubadora nasce em Viseu já com um ecossistema instalado à sua volta, fruto de todo um percurso de captação de investimentos, feito por caminhos paralelos, iniciado pelo Município há quatro anos atrás”, sublinhou Almeida Henriques, para quem a Incubadora vai posicionar-se em todos os domínios, nomeadamente nas tecnologias de informação e na vertente da mobilidade, mas com uma ligação muito forte ao sector agro-rural.

“Viseu chegou atrasado ao processo de criação de dinâmicas de empreendedorismo e incubação nestas áreas de actividade. É necessário recuperar agora o tempo perdido”, assumiu o autarca, que desafiou os jovens da região, e também do país, a recorrerem a este ecossistema, enquanto “espaço ideal para o desenvolvimento de projectos”.

São parceiros no projecto do CITV a AIRV, o Instituto Politécnico, Instituto Piaget e Universidade Católica. Depois da realização recente do programa de verão «Young Leaders Summer Bootcamp», que juntou formandos de todo o país, o director executivo da Visssaium XXI, Sérgio Lorga, anunciou já algumas das actividades previstas até ao final deste e ao longo do próximo ano, assegurando que serão desenvolvidas iniciativas em permanência que desafiam os empreendedores de Viseu a criar capacidades.

“Queremos ser mais uma máquina neste processo. Queremos seguir o exemplo do Instituto Pedro Nunes, que chegou a ser distinguido com o prémio europeu de melhor Incubadora. E queremos chegar até onde os mercados o permitirem. Sem descurar toda uma dinâmica de coesão territorial, trabalhando os produtos endógenos. A motivação está cá toda”, garantiu Sérgio Lorga.