Um «CUBO MÁGICO» para animar o verão e a retoma económica e cultural

Junho 30, 2020 | Actualidade

Programar mais de 500 propostas traduzidas em mais de 250 micro-eventos para ocuparem 18 locais, ao longo de 63 dias (de 21 de Julho a 21 de Setembro), foi o grande desafio que levou o Município e parceiros envolvidos no projecto (Turismo do Centro, CIM Viseu Dão Lafões, Viseu Marca, AHRESP, Associação Comercial do Distrito de Viseu), a planear, em tempo de pandemia “um evento único e irrepetível: o «CÚBO MÁGICO».

O projecto vai concentrar uma panóplia de actividades, através de um alinhamento estratégico com a identidade e tradição cultural de Viseu, numa reinterpretação dos eventos cancelados ou reagendados no contexto da pandemia. O processo, muito complexo, não foi nada fácil para os promotores. Foi mesmo “um verdadeiro quebra-cabeças. Daí a designação de «Cubo Mágico»”,  fez saber o vereador da Cultura, Jorge Sobrado.

O «CUBO MÁGICO» surge com o objectivo de “impulsionar a retoma da economia, designadamente do comércio local, da restauração e da hotelaria e das indústrias criativas, com uma agenda cultural de animação urbana integrada. Este é, segundo Almeida Henriques, presidente da Câmara Municipal, um passo que coloca Viseu “na linha da frente dos destinos portugueses com alternativas de programação responsáveis e atractivas para a sua comunidade e visitantes.

O programa “alternativo e seguro” propõe um reencontro com a cultura da cidade de Viriato, mas também com o comércio tradicional, gastronomia, património e natureza”, sublinhou Almeida Henriques. Que enunciou três princípios que  definem o modelo de organização do programa: desconcentração geográfica das actividades, distribuição temporal alargada e microescala dos eventos.

No total, serão mais de 500 as propostas que irão ter lugar por toda a cidade, organizadas em oito faces de programação: “Luz, Câmara, Ação” (Cinema e Fotografia), Tradições do Feirar, Rua Direita, Arte Urbana, Concertos & Espetáculos, Mercados & Gastronomia, Exposições & Oficinas e Saúde & Bem-Estar. Uma das prioridades de programação do CUBO MÁGICO vai para a revitalização da Rua Direita, através da reocupação de 15 lojas devolutas, onde serão organizados bairros temáticos temporários. Para além de uma instalação decorativa e de luz que tem por inspiração uma arte e ofício tradicional de Viseu, marcante na história desta rua emblemática: a cestaria.

Para Jorge Sobrado, “o projecto é uma bóia de salvação lançada à economia local e é uma resposta disciplinada e em segurança à procura expectável da comunidade, turistas e da nossa diáspora. Numa cidade e num destino como Viseu, a impreparação seria a única opção imperdoável”, conclui.

“Iniciaremos com o CUBO MÁGICO um programa sistemático de reanimação social, económica e cultural da rua que culminará com um programa de incentivo ao arrendamento, previsto no programa VISEU INVESTE+”, assinalou o Presidente da Câmara, Almeida Henriques.

Outra das apostas visa a retoma da actividade dos artistas e agentes culturais locais. Ao todo, serão promovidos mais de 250 micro-eventos de artistas, criadores e promotores culturais da região, na área da música, teatro, cinema, fotografia, artes formativas, entre outras. “Representam mais de 90% da programação total”, assinalou o Vereador da Cultura.

Quinze entidades e estruturas artísticas apoiadas pelo programa municipal VISEU CULTURA terão a oportunidade de trazer a público os seus projectos, devidamente reestruturados, entre os quais se destacam o Festival de Jazz, o Karma is Not a Fest, as sessões do ShortCutz, as actividades do CRETA, exposições e oficinas de criação. Ao todo, estes projectos representam uma expectativa de realização de cerca de 100 actividades de microescala durante o verão.

No ano em que Viseu se assume como território de cinema e fotografia, a programação nestas áreas adquire especial importância. O recinto da feira semanal receberá um programa de “Cinema Drive In” – um formato seguro e confortável –, com a presença do Embaixador de Viseu Mário Augusto. A 7ª arte será ainda presença assídua no Campo de Viriato e no Parque Aquilino Ribeiro. Exposições e workshops de fotografia serão também integrados.

Cancelada que está a Feira de São Mateus em 2020, o CUBO MÁGICO será o veículo para trazer de volta, em segurança, ainda que em condições e local distinto, algumas “tradições do feirar”. Parte do Campo da Feira de São Mateus será utilizado para instalar operadores representativos do certame como no Bairro da Restauração (parcialmente aberto), as farturas da Feira (idem), alguns divertimentos (desde que com actividade autorizada e protocolos certificados pela Direcção-Geral de Saúde) e um palco com plateia limitada e controlada nos termos da legislação em vigor, com sistema electrónico de pré-reserva associado.

Outra das grandes tradições da Feira – as enguias em conserva da Murtosa – terá morada no Mercado 2 de Maio. Que irá acolher, no seu piso superior, várias opções de street food. Pelo piso inferior passarão as famosas enguias da Feira de São Mateus, os produtores de vinho do Dão, o artesanato e produtores de produtos como queijos, enchidos, biscoitos, hortícolas, etc.

No Parque Aquilino Ribeiro, os reencontros serão com o “Cinema na Cidade”, com assinatura do Cine Clube de Viseu, bem como com as tendências zen e saudáveis, que serão reinterpretadas de experiências como o “Viseu Sabe Bem” e o “Viseu Vegan Fest”. O parque da cidade será também palco de actividades de “Saúde & Bem-Estar”.

O evento gastronómico “Viseu Estrela à Mesa” também não falta à chamada e terá a sua terceira edição no Rossio, ainda que adaptada. A reserva de lugares e a aquisição de experiências será feita exclusivamente por via digital, reduzindo contacto e afluência desajustada de público.

Ao longo de dois fins-de-semana, a cozinha gourmet de chefs de topo da gastronomia nacional e regional promete conquistar o público. O embaixador de Viseu e Estrela Michelin Diogo Rocha será o curador da iniciativa e a Escola Profissional Mariana Seixas parceiro da organização.

A Protecção Civil Municipal coordenará o plano de segurança do programa público, em cooperação com todas as autoridades competentes. Um especial plano de higienização de espaços e equipamentos será posto em prática, estando também todos os operadores aderentes vinculados ao cumprimento dos protocolos definidos pela Direcção-Geral de Saúde.

O acesso aos espectáculos e outros momentos de programação exigirá pré-reserva por via digital, através da rede Blueticket, ainda que sendo maioritariamente de natureza gratuita.

A definição de circuitos para os visitantes, o reforço da higienização e a faculdade de fecho momentâneo do acesso a espaços que evidenciem uma procura desajustada de públicos são algumas das medidas já previstas.